23/01/2019

Novidades Topseller

O meu nome é Teresa Battaglia e vejo para além das flores que crescem no chão.

Vejo o inferno que se abre por debaixo dos nossos pés. Nos Alpes italianos, uma aldeia silenciosa encontra-se rodeada por florestas antigas cobertas de neve. Quando um homem é encontrado morto, nu e com os olhos arrancados, ninguém sabe como reagir.
A inspetora Battaglia é uma mulher de aparência frágil. Com 60 anos, o seu corpo começa a falhar. Mas conquistou a pulso o seu lugar na tantas vezes machista polícia italiana. Massimo Marini, um jovem inspetor da cidade destacado para o caso, está fora da sua zona de conforto. E pior fica quando percebe que será Teresa a orientar a investigação.
Teresa está determinada a impedir que mais alguém sofra às mãos deste assassino. Só que a disposição quase ritual do cadáver indica-lhe que este caso poderá ser apenas o primeiro de muitos. Há uma história negra escondida nestas montanhas. E ela irá descobri-la.
«Um thriller que entra nos recantos da alma, e apresenta uma autora para seguir com muita atenção.» - Marie Claire
«Ilaria Tuti criou uma pessoa real. Teresa Battaglia é uma luz cheia de sombras, um espaço dentro do nosso coração. Inesquecível.» - Donato Carrisi, autor bestseller internacional

Ilaria Tuti vive na província de Udine, em Itália. Em pequena, queria ser fotógrafa, mas acabou por estudar Economia.
Adora o mar, mas vive na montanha. Tem uma paixão enorme pela pintura e já fez ilustração de livros infantis para uma pequena editora italiana.
Em 2014, venceu o prémio Gran Giallo Citá di Cattolica, atribuído ao melhor conto policial, com La Bambina Pagana.
O livro Flores Sobre o Inferno foi vendido para 14 territórios, e os direitos para televisão foram comprados por um produtor italiano que está já a trabalhar numa coprodução internacional.
Já vendeu mais de 60 mil exemplares em Itália e alcançou o top 10 no diário italiano Corriere della Sera. É o primeiro romance da autora.


Bestseller do New York Times, do USA Today e da Publishers Weekly

«Um relato de amor e coragem, rico em pormenores históricos, que tem como pano de fundo a Grande Depressão.» - Publishers Weekly
Uma história comovente de perda e redenção, inspirada em impressionantes acontecimentos reais.
Em 1931, o repórter Ellis Reed depara-se com uma cena angustiante. Duas crianças encontram-se no alpendre de uma casa rural e ao seu lado está uma tabuleta onde se pode ler:
Vendem-se duas crianças
Aquele anúncio, um reflexo das dificuldades brutais que inúmeras famílias americanas enfrentaram após a queda da bolsa em 1929, leva Ellis a tirar uma fotografia à cena. Quando Lillian Palmer, sua colega no jornal, encontra a fotografia, sugere a sua publicação ao chefe de redação. Ellis revela-se contra, mas percebe que aquela imagem pode conduzir à sua grande oportunidade de progredir na carreira.
Acidentalmente, a fotografia é destruída, e Ellis tem de regressar à casa para voltar a fotografar a cena. Ao encontrar a casa vazia, toma uma decisão: recria uma cena semelhante numa casa vizinha, com novas crianças, e tira outra fotografia.
A imagem acaba por ser publicada, e as consequências são devastadoras. Ellis e Lillian sabem que um grande erro foi cometido, e vão ter de decidir quanto estão dispostos a arriscar para salvar uma família fraturada.
«Kristina McMorris evoca um sentido de lugar tão forte na sua escrita que abrir os seus livros se assemelha mais a viajar do que a ler.» - Bookpage

Kristina McMorris é uma autora norte-americana bestseller do New York Times e do USA Today. Os seus livros, inspirados em histórias reais, têm sido alvo de inúmeros elogios e nomeações para prémios.
Antes de iniciar a sua carreira como escritora, Kristina foi apresentadora de televisão, função que começou a desempenhar precocemente, aos 9 anos.



Autora vencedora do John Newberry Medal Honor Book, o mais importante prémio de literatura infantojuvenil norte-americano
Nomeado para os Goodreads Choice Awards

Uma história comovente e inesquecível.
A prova de que o amor ultrapassa todos os obstáculos. Para Ada, os tempos de sofrimento e infelicidade parecem ter ficado no passado. Depois de se mudar com o irmão para casa de Susan e de finalmente poder contar com o amor de uma família, a sua vida começa a ganhar um novo sentido.
Só que a guerra está longe do fim e, além do medo, também traz consigo algumas surpresas inesperadas e perigosas que podem abalar a tranquilidade de todos.
Na nova casa de Ada surge misteriosamente uma rapariga desconhecida, Ruth. A tensão aumenta quando Ada e a sua família descobrem que Ruth é judia e que fugiu da Alemanha. Será ela uma espia ou uma valiosa aliada no meio da calamidade? Que preocupações trará consigo esta estranha e que adversidades estarão à espreita?
Entre dúvidas e receios, é chegada a hora de Ada aprender a aceitar e a acreditar ? em si própria, na sua família, na sua capacidade de superar o medo e, claro, no amor. Conseguirá ela vencer mais esta guerra?
Um livro esplêndido para todas as idades.
Uma lição de vida face a todas as guerras que travamos diariamente.

Kimberly Brubaker Bradley nasceu no estado do Indiana, nos Estados Unidos da América. Formou-se em Química, tendo depois entrado na faculdade de Medicina, curso do qual desistiu ao fim de seis semanas.
As suas duas grandes paixões sempre foram a leitura e a escrita, atividades que conciliou durante algum tempo com o seu trabalho de investigação. Acabou, contudo, por abandonar a Química para se dedicar a tempo inteiro à escrita. Atualmente, vive em Bristol, Inglaterra, juntamente com o marido e os dois filhos.
As suas obras têm sido alvo de excelentes críticas internacionais. A autora conta já com cerca de vinte títulos publicados, alguns dos quais distinguidos com nomeações e prémios literários.


A nova série da vencedora do prémio RITA MELHOR ROMANCE ERÓTICO
Doze meses, doze homens, doze histórias absurdamente sexy.
O bar The Fix on Sixth está em risco de fechar. Um grupo de amigos decide ajudar, competindo com o que de melhor tem: sensualidade e atributos físicos! E assim surge o concurso O Homem do Mês, onde os melhores partidos do Texas vão disputar o título durante doze meses, atraindo os olhares do público e as mulheres que os tiram do sério.
Janeiro
Reece Walker é o gerente do The Fix e só uma coisa lhe interessa além de salvar o seu bar: Jenna Montgomery. O problema é que ele sabe que Jenna sempre o viu como um mulherengo e, pior ainda, como «apenas um amigo». Estará ele disposto a pôr em risco esta amizade e confessar os seus sentimentos?
Fevereiro
Antiga estrela de reality shows, Spencer Dean não confia em ninguém desde que foi abandonado no altar. Agora, passados anos, a antiga noiva está de volta e precisa dele para lançar a sua carreira. Spencer sabe o risco que corre, mas decide ajudá-la? Afinal, a vingança serve-se fria, certo?
Março
Bonito, tímido e perdidamente apaixonado por Mina, assim se descreveria Cameron Reed. Embora pudesse ter qualquer mulher, apaixonou-se pela irmã do seu melhor amigo. Ninguém disse que o amor era fácil, pois não?
Qual destes homens a conquistará?

J. Kenner é uma autora norte-americana cujas obras estão em todas as listas de bestsellers do seu país, incluindo as do New York Times e do USA Today.
Publicou mais de 70 romances, novelas e contos sobre várias temáticas, tendo cerca de três milhões de livros vendidos em todo o mundo, traduzidos em mais de 20 línguas. Destes, a série Stark — Liberta-me, Deseja-me, Ama-me, Possui--me, Captura-me, Satisfaz-me e Amarra-me, todos publicados pela Topseller — é a que tem maior êxito.
Depois de ter sido cinco vezes finalista do Prémio RITA para Melhor Romance Erótico, atribuído pela Associação Americana de Escritores de Romance, em 2014 a autora recebeu finalmente o prémio, com a obra Deseja-me.
Kenner vive no interior do Texas com o marido, duas filhas adoráveis e dois gatos irrequietos.


Como é que uma só mulher consegue transformar o mais sedutor dos playboys num homem à beira do desespero?
O amor é para meninos. Esse é o meu mote. Mas eu, que lido diariamente com investimentos de milhões e seduzo qualquer mulher com um sorriso apenas, ando numa onda de azar.
Tudo mudou quando Katherine Brooks entrou para o banco onde trabalho. Assim que a vi, achei-a belíssima, mas não esperava o seu lado diabolicamente competitivo. A mulher é um monstro dos negócios e está claramente interessada? em atirar-me para fora da corrida. Eu até costumo ser um bom jogador, mas a sensualidade dela distrai-me. Já a sua língua afiada? bem, digamos que a aprecio. E aquelas curvas! Ai, aquelas curvas!
Não! Para com isso, Drew Evans! Não estás apaixonado, não acreditas no amor!
Mas confesso-me frustrado: não consigo levar esta mulher para a cama nem vencê-la na competição. Está na hora de tomar as rédeas. Só preciso de um plano?
Com agressividade, fogo sensual e um pouco de rivalidade à mistura!
«As personagens de Emma Chase são vibrantes, cheias de humor e profundidade, e vão manter as leitoras envolvidas e deliciadas.» - The Subclub Books
«Este livro é de fazer cair o queixo ? absurdamente divertido e absolutamente encantador. Envolvidos é mais do que uma leitura obrigatória, é um livro para largar tudo e começar a ler.» - Smut Book Club

Emma Chase é uma escritora norte-americana, autora dos livros Envolvidos, Enrolados e Enlaçados, bestsellers do New York Times e do USA Today e publicados pela Topseller.
A escrita foi sempre a sua paixão, e a sua estreia com o romance Envolvidos foi a concretização de um sonho.
Vive com o marido e com os filhos numa pequena vila rural em Nova Jérsia.
Mais sobre a autora em: www.emmachase.net



22/01/2019

Novidade Marcador - Regresso à Tua Pele, de Luz Gabás

 NOVO ROMANCE DA AUTORA DE PALMEIRAS NA NEVE

Regresso à Tua Pele
Luz Gabás
Coleção: Marcador 
Literatura Tema: Literatura | Romance Contemporâneo
Título Original: Regreso a Tu Piel 
N.º de Páginas: 448  
PVP: 20,90€ 
Data de publicação: 23/01/2019

O passado e o presente estão entrelaçados nesta história de amor eterno, onde a sombra da bruxaria e a ganância do homem são derrotadas pela paixão de uma mulher que transcende o espaço e o tempo.
Brianda, uma jovem engenheira, deixa uma vida agitada em Madrid para regressar temporariamente à sua casa de infância, situada numa aldeia fria e isolada nos Pirenéus. Aí algo a impele a explorar as suas raízes e a descobrir um segredo de família e um novo interesse amoroso, o enigmático Corso, que desafia o destino ao restaurar a mansão negligenciada que herdou. O mistério adensa-se quando Brianda descobre outra mulher com o mesmo nome nos arquivos da aldeia, uma mulher que viveu quatro séculos antes e desafiou convenções.

Numa terra convulsionada por guerras, vinte e quatro mulheres foram acusadas num dos episódios mais dramáticos da história da feitiçaria espanhola. Entre elas está Brianda, que se torna um alvo e faz uma promessa ao seu verdadeiro amor, uma promessa que pode não viver para cumprir.

Um romance sobre a França e a Espanha do século XVI numa história única de luta, amor e justiça. Uma grande história de amor cuja força atravessa o tempo e chega aos nossos dias.

A AUTORA: 
Luz Gabás nasceu em 1968 em Mozón (Huesca). Os melhores momentos da sua infância e juventude tiveram lugar entre a terra onde vivia a sua família paterna (Cerler, no vale de Benasque) e a terra da sua família materna (Serrate, no vale de Lierp). Depois de viver um ano em San Luis Obispo (Califórnia), estudou em Saragoça, onde se licenciou em Filologia Inglesa e conseguiu mais tarde ocupar o lugar de professora universitária. Durante anos aliou a docência universitária ao trabalho de tradutora, à publicação de artigos e à investigação em literatura e linguística, e participou ainda em projetos culturais, teatrais e de cinema independente. Desde 2007 vive na lindíssima vila de Anciles, cerca de Benasque (situado nos Pirenéus espanhóis), onde se dedica, entre outras coisas, a escrever. O seu primeiro romance, Palmeiras na Neve, foi um grande êxito editorial adaptado ao cinema.





14/01/2019

Novidades Bertrand em Janeiro 2019

Um retrato de sobrevivência às feridas invisíveis da guerra 

A perturbação de stresse pós-traumático é o ponto de partida do romance A Grande Solidão, de Kristin Hannah, autora de inúmeros sucessos de vendas do New York Times

A guerra do Vietname continua muito presente na memória dos norte-americanos e as suas feridas também. Além das cicatrizes dos veteranos de guerra, há outras mazelas não visíveis que se escondem em zonas mais profundas do corpo: no cérebro. Tendo como ponto de partida a perturbação de stresse pós-traumático, Kristin Hannah apresenta um romance que é um retrato fiel da fragilidade e da resiliência humana.

A história de A Grande Solidão gira em torno da família Allbright, que se muda para o Alasca numa tentiva de busca pela normalidade que antes reinara no seu lar. Mas à medida que os meses avançam e o inverno se aproxima, a escuridão toma o lugar da esperança  e o maior dos perigos reside dentro da pequena cabana em que habitam.

Sinopse:
1974, Alasca. Indómito. Imprevisível. E para uma família em crise, a prova definitiva. Ernt Allbright regressa da Guerra do Vietname transformado num homem diferente e vulnerável. Incapaz de manter um emprego, toma uma decisão impulsiva: toda a família deverá encetar uma nova vida no selvagem Alasca, a última fronteira, onde viverão fora do sistema. Com apenas 13 anos, a filha Leni é apanhada na apaixonada e tumultuosa relação dos pais, mas tem esperança de que uma nova terra proporcione um futuro melhor à sua família. Está ansiosa por encontrar o seu lugar no mundo. A mãe, Cora, está disposta a tudo pelo homem que ama, mesmo que isso signifique segui-lo numa aventura no desconhecido.
Inicialmente, o Alasca parece ser uma boa opção. Num recanto selvagem e remoto, encontram uma comunidade autónoma constituída por homens fortes e mulheres ainda mais fortes. Os longos dias soalheiros e a generosidade dos  habitantes locais compensam a inexperiência e os recursos cada vez mais limitados dos Allbright. À medida que o inverno se aproxima e que a escuridão cai sobre o Alasca, o frágil estado mental de Ernt deteriora-se e a família começa a quebrar.
Os perigos exteriores rapidamente se desvanecem quando comparados com as ameaças internas. Na sua pequena cabana, coberta de neve, Leni e a mãe aprendem uma verdade terrível: estão sozinhas. Na natureza, não há ninguém que as possa salvar, a não ser elas mesmas. Neste retrato inesquecível da fragilidade e da resiliência humana, Kristin Hannah revela o carácter indomável do moderno pioneiro americano e o espírito de um Alasca que se dissipa - um lugar de beleza e perigo incomparáveis. A Grande Solidão é uma história ousada e magnífica sobre o amor.

Sobre a autora:
Kristin Hannah é autora de inúmeros sucessos de vendas do New York Times. Nasceu em 1960 no sul da Califórnia, cresceu a brincar na praia e a fazer surf. Aos 8 anos, a família mudou-se para o estado de Washington. Trabalhou em publicidade, licenciou-se em Direito e exerceu advocacia durante alguns anos em Seattle. Quando a gravidez a obrigou a ficar de cama vários meses, Kristin retomou alguns textos antigos que tinha escrito em parceria com a falecida mãe, que sempre dissera que ela seria escritora. O marido encorajou-a, e, assim que o filho nasceu, Kristin abandonou a anterior
atividade profissional e dedicou-se à escrita a tempo inteiro. O primeiro êxito surgiu em 1990 e desde então que a sua profissão é escrever. A autora já publicou mais de 20 romances. Ganhou prestigiados prémios como um Rita Award (Romance Writers of America) em 2004 com Entre Irmãs, e o National Reader’s Choice. A sua obra está traduzida em várias línguas. Vive com o marido e filho na costa noroeste dos Estados Unidos. 

Quando um bebé aparece de surpresa à porta da deslumbrante Katie, a sua vida sofre uma reviravolta. 

Nas livrarias a 18 de janeiro

Mantendo o registo a que já habituou os seus leitores com histórias românticas, apaixonantes e sensuais, Catherine Bybee está de regresso com o livro Não É Bem Meu. Katelyn Morrison, a deslumbrante herdeira da cadeia de hotéis Morrison, é a protagonista deste romance, no qual a sua vida sofre uma reviravolta quando lhe é deixado um bebé à porta da sua casa. 
 
Sinopse:
A deslumbrante Katelyn Morrison, também conhecida como «Katie», herdeira da cadeia de hotéis Morrison, parece ter tudo para ser feliz. Mas quando no casamento do irmão se confronta com Dean Prescott – o único homem que realmente amou –, Katie percebe que falta alguma coisa na sua vida. Então, o destino traça o seu caminho quando alguém abandona à porta de sua casa, envolvida num cobertor, uma bebé adorável. Uma carta comovente da mãe acompanha a menina, chamada Savannah, e perturba Katie, que decide ficar com ela até descobrir a identidade dos pais. Katie está ocupada com a criança e a última coisa de que precisa é de Dean... sobretudo quando a sua presença vem acordar sentimentos que ela pensava já estarem esquecidos. Dean sabe que Katie lhe está a mentir acerca da bebé e que não deve continuar a sofrer, mas não consegue ignorar a sua necessidade de proteger Katelyn - ou o seu desejo de estar perto dela. Com o mistério que envolve a criança
surpresa em vias de resolução, Katie e Dean ainda terão uma segunda oportunidade para serem felizes?   

Sobre a autora:
Catherine Bybee é uma autora bestseller do New York Times. Nasceu em Washington, mas mudou-se para a Califórnia depois do liceu na esperança de vir a tornar-se atriz. Em lugar disso, licenciou-se em enfermagem e fez a sua carreira sobretudo em urgências hospitalares. Atualmente, é escritora a tempo inteiro. Vive na Califórnia com o marido e os dois filhos. 

«Lá Fora Chove, Cá Dentro Também. Passo Aí a Apanhar-te?» é o romance de estreia de Antonio Dikele Distefano, autor italiano de origem angolana

Antonio Dikele Distefano é um dos autores sensação da atualidade. «Lá Fora Chove, Cá Dentro Também. Passo Aí a Apanhar-te?» é o seu romance de estreia e ainda antes de ter sido publicado em livro formato papel já era um verdadeiro fenómeno na Internet. O autor disponibilizou este seu primeiro trabalho narrativo via Amazon através de download gratuito e em pouquíssimo tempo alcançou os 10 mil leitores.

Filho de pais angolanos, Antonio Dikele Distefano nasceu e foi criado em Itália. Desde os doze anos que é um apaixonado do hip hop e da fotografia.
«Lá Fora Chove, Cá Dentro Também. Passo Aí a Apanhar-te?» é o reflexo do seu património, contado de forma meio autobiográfica, meio ficcionada em fragmentos com momentos singulares, como canções que, em conjunto, formam a banda sonora de uma vida. É a história de um primeiro amor e do seu fim escrito numa linguagem muito própria desta nova geração das redes sociais, com frases curtas e muito impactantes.  
«Lá Fora Chove, Cá Dentro Também. Passo Aí a Apanhar-te?» é muito mais do que a história de um jovem negro que se apaixona por uma jovem branca. É um conjunto de ideias e reflexões sobre os
temas da vida vistos por um jovem de vinte anos.    

Sinopse:
Esta é a história, meio autobiográfica, meio ficcionada, de um primeiro amor e do seu fim. Uma história que durou um ano e que desagradou a toda a gente. Porquê? Porque Antonio é negro, e a família da namorada não gosta dele por isso. Tem também de se confrontar com questões relacionadas com a sua própria família, os amigos, a escola e milhões de outros desafios relacionados com a adolescência. Namoros, amizades, amor, crescer… Esta é a história de um jovem contada em
fragmentos. É uma história de momentos singulares, como canções que, em conjunto, formam a banda sonora de uma vida.  

Sobre o autor:
Antonio Dikele Distefano é um jovem autor italiano de origem angolana. Este é o seu primeiro livro. 



 

«Imortalidade», de Rachel Heng, é um romance que abala os cânones da humanidade

Imortalidade
Rachel Heng
Género: Literatura / Romance
Tradução: Maria Dulce Guimarães da Costa
N.º de páginas: 304
PVP: € 17,70

A morte deixou de ser um tabu. Mas… é altamente ilegal 
 
No seu romance de estreia, Rachel Heng aborda um tema que está na ordem do dia: a manipulação genética. Em Imortalidade, a esperança média de vida ronda os 300 anos, contrastando com aquilo que ainda é os nossos dias. Rachel Heng traça um retrato daquilo que pode vir a ser o nosso futuro mais próximo, em que uma alimentação rigorosa e a uma atividade física pensada em detalhe aliadas aos extraordinários avanços genéticos constituem o cocktail perfeito. Se notícias mais recentes já dão conta de alterações genéticas em embriões para os dotar de resistência a vírus, Rachel Heng vai ainda mais longe. Mas irá assim tão mais longe do que a realidade já auspicia ou de facto a perfeição genética está a apenas um passo? Este romance, que faz abalar os cânones da humanidade, apresenta uma ficção distópica que levanta algumas questões provocadoras sobre a raça humana, a vida e a morte.

Sinopse:
Um romance que se desenrola no futuro próximo, em Nova Iorque, onde a esperança de vida ronda os 300 anos e a imortalidade é o único valor que verdadeiramente importa. É neste contexto que Lea tem de decidir entre o seu pai ou viver eternamente. Lea Kirino tem um conjunto de dados genéticos que lhe confere um potencial de eternidade se fizer tudo bem feito. E Lea é muito bem-sucedida. É uma corretora de sucesso na Bolsa de Nova Iorque onde, em vez de ações, se transacionam órgãos humanos, tem um apartamento sublime e um noivo que rivaliza com ela em perfeição genética. Com a ajuda adequada da HealthTech, uma rigorosa dieta de sumos e exercícios de baixa intensidade, tem a vida eterna ao seu alcance. Mas a vida perfeita de Lea sofre uma reviravolta quando, num passeio cheio de transeuntes, se cruza com o pai, supostamente distante. O seu regresso desencadeia uma profunda mudança no comportamento de Lea, que se vê atraída para o mundo misterioso do Clube do Suicídio, uma rede de pessoas poderosas e revoltadas que rejeitam a busca
da imortalidade pela sociedade e que preferem viver, e morrer, nos seus próprios termos. Neste mundo futuro, a morte não é só um tabu, mas também altamente ilegal, e Lea tem de escolher entre uma existência imortal asséptica e um tempo curto e agridoce com um homem que é a sua única família no mundo…

Sobre a autora:
Rachel Heng nasceu e cresceu em Singapura e este é o seu romance de estreia. Depois de se licenciar em Literatura Comparada e Sociedade pela Universidade de Columbia, trabalhou vários anos numa empresa financeira em Londres. Atualmente reside em Austin, onde frequenta uma pós-graduação em Ficção e Guionismo no Michener Center for Writers da Universidade do Texas. Os seus contos foram sempre muito aclamados pelas mais diversas publicações literárias, nomeadamente por The Offing, Prairie Schooner, The Adroit Journal e The Minnesota Review. Assim, não surpreende que também a sua ficção tenha sido bem recebida, recomendada e premiada com uma Menção Especial do Pushcart Prize e com o Prairie Schooner's Jane Geske Award.
 
 
 
 

Porto Editora - Teolinda Gersão - O que se esconde por trás da porta?

Atrás da porta e outras histórias
Teolinda Gersão
Págs.: 128
PVP: 15,50 €

Teolinda Gersão regressa aos contos com Atrás da porta e outras histórias 
 
«… percebi que há portas que, uma vez abertas, nunca mais se voltam a fechar, e o que se passava atrás delas fica para sempre visível.»
 
O mundo e a vida não são o que parecem. No novo livro
de Teolinda Gersão, Atrás da porta e outras histórias, que a Porto
Editora publica a 17 de janeiro, a literatura espreita por uma frincha da porta e revela-nos histórias muitas vezes ocultas, o lado mais privado da vida e dos pensamentos dos outros, trazendo à luz revelações de beleza ou de horror, de fragilidade e até de perfídia.
Depois de Prantos, amores e outros desvarios, que captavam «o pulsar distinto da vida como se de um batimento comum se tratasse» (in Público), Teolinda Gersão, recentemente galardoada com o Marquis Lifetime Achievement Award, volta a cativar o leitor com uma escrita intimista, desvendando o melhor e o pior da alma humana.

Sinopse: 
Atrás da porta há segredos. De beleza ou de horror, porque o mundo e a vida não são o que parecem.
Por vezes a literatura consegue espreitar por uma frincha da porta, ou mesmo forçá-la a abrir-se.
Essa tentativa, sempre renovada, é o objectivo da escrita.

Sobre a autora:
Teolinda Gersão estudou nas Universidades de Coimbra, Tübingen e Berlim, foi leitora de português na Universidade Técnica de Berlim e professora catedrática da Universidade Nova de Lisboa, onde leccionou Literatura Alemã e Literatura Comparada. Viveu três anos na Alemanha, dois em São Paulo, Brasil, e conheceu Moçambique e a cidade de Lourenço Marques, onde decorre o romance A árvore das palavras. É autora de 17 livros e a sua obra encontra-se traduzida em 14 países. Considerada uma das maiores escritoras portuguesas da actualidade, foi galardoada com os mais prestigiados prémios literários nacionais, nomeadamente o Grande Prémio de Romance e Novela da  APE, o Prémio do PEN Clube (1981 e 1989), o Grande Prémio do Conto Camilo Castelo Branco e o Prémio Fernando Namora (1999 e 2015). Foi escritora residente da Universidade de Berkley em 2004. Alguns dos seus contos e livros têm sido adaptados ao cinema e ao teatro e encenados em Portugal, Alemanha e Roménia. Em 2018 foi-lhe atribuído o Marquis Lifetime Achievement Award.
Mais informações no site: www.teolindagersao.wordpress.com
 
Sobre Prantos, amores e outros desvarios  A escrita de Teolinda traz luz à nossa escuridão, mesmo que a loucura espreite a cada momento. Somos nós do outro lado do espelho a espreitar a nossa própria humanidade. Aliás, os três substantivos do título destes contos significam, talvez na totalidade, toda a condição humana, no imaginário destes personagens e na realidade das nossas próprias vidas. Vamberto Freitas, Açoriano Oriental   
 
Uma notável arquitectura onde os planos convergem e divergem sem um fechamento definitivo. Onde não há redenção, nem castigo. E onde, como em qualquer pesadelo digno desse nome, nunca nada realmente termina. Prantos... percorre com destreza o espectro vasto do quotidiano. Do mais conturbado ao mais aparentemente plácido, a escrita de Teolinda capta o pulsar distinto da vida como se de um batimento comum se tratasse. Hugo Pinto Santos, Público    

Uma finíssima e maliciosa ironia, uma pessoalíssima liberdade de execução, e uma enorme variedade de registos e de vozes narrativas. Tudo alimentado por uma prodigiosa imaginação fabricadora. Eugénio Lisboa, Jornal de Letras

Teolinda retoma a shortstory situando-a nesse campo fascinante da demiurgia, fantasiando enredos em torno de existências, relacionamentos, desejos secretos, perdas, desilusões, ressentimentos, excessos e perversões, explorando as fronteiras do acto de criação e cruzando nele a realidade e o imaginário, o «acontecer» e o «poder acontecer», a matéria do quotidiano e o absurdo, o senso comum e a loucura. Clara Rocha, Colóquio/Letras 
 

Novidade Guerra & Paz - Loucuras e Bizarrias de Reis, Rainhas e Fidalgos Infames

Loucuras e Bizarrias de Reis, Rainhas e Fidalgos Infames
Nas livrarias a 15 de Janeiro
N.º de Páginas: 216 
PVP: 15,50 €

Sinopse
Reis, rainhas, fidalgos – coroas, tiaras, títulos? Não! Mortes, roubos, loucuras e muito mais.

• Leonor Teles, cuja infidelidade por pouco não destruía a independência de Portugal;

• Afonso VI, deposto por impotência sexual pelo irmão, D. Pedro II, que depois casaria com a cunhada;

• Isabel Bathóry, condessa húngara, a maior assassina em série da história;

• Henrique VIII, o rei que casou seis vezes e matou duas das mulheres;

• Dipendra, o príncipe nepalês que matou a família real;

• E muitas outras histórias de reis, rainhas e fidalgos – todas loucas ou bizarras.

Os regimes monárquicos habituaram-nos, ao longo dos séculos, a uma postura sóbria, conservadora e protocolar. Mas será que todos os reis, fidalgos ou cortesões cumpriram estes desígnios? Em Bizarrias de Reis, Rainhas e Fidalgos Infames, a Guerra e Paz, Editores mostra-lhe que não. Tortura, extermínio, roubo, escândalo, enguiço, infidelidade, incesto e muitas mais loucuras e bizarrias, de governantes e nobres de todo o mundo e de todos os tempos, que o tempo não fez esquecer.

Maldades e demência de todas as épocas, para todos os gostos. Este compêndio contém, em pouco mais de 200 páginas, o anti-édipo D. Afonso Henriques, que fundou Portugal numa luta contra a mãe, D. Pedro I, que reinou consumido pelo ódio e pelo desejo de vingar a morte da sua amada, o inconsciente D. Sebastião, que em Marrocos perdeu a vida e a independência do país, o pecador entre conventos e hábitos, D. João V, ou a louca D. Maria I.


Novidades Clube do Autor


«São páginas repletas de tensão até para quem conhece o desfecho histórico.
Uma história formidável e cheia de surpresas.
Gross escreveu outro livro notável sobre a Segunda Guerra.» Kirkus

Inspirado nos heróis de guerra que boicotaram a pesquisa nuclear dos nazis, O Sabotador é um thriller histórico sobre a épica missão que destruiu um dos planos mais perigosos de Hitler.

Fevereiro de 1943. Os Aliados descobrem que os nazis estão perigosamente perto de construir uma arma decisiva para o desfecho da guerra. E têm de fazer tudo para os impedir.

Kurt Nordstrum é um engenheiro que faz parte da resistência que quer livrar a Noruega da influência de Hitler. Após perder a noiva, foge para Inglaterra, levando provas secretas sobre o progresso dos nazis na construção da bomba atómica. Determinado a prejudicar os planos dos alemães, junta uma equipa de resistentes e treina-os para a incursão mais ousada da guerra.
Avançando num dos terrenos mais inóspitos da Europa, lutando contra tempestades e desafiando o destino, a equipa de Nordstrum tem como alvo uma fábrica isolada, altamente vigiada pelos alemães, construída numa plataforma que se acredita ser impenetrável e de onde outros soldados não conseguiram voltar.

Com o destino da guerra em mãos, e em nome da lealdade e do dever, ele coloca em risco a pessoa que mais quer proteger. No final, o que estará disposto a sacrificar?

Inspirado na sabotagem à fábrica em que os alemães produziam a água deuterada, fundamental para o desenvolvimento da bomba atómica, O Sabotador recria uma das mais arriscadas missões da guerra. O último sobrevivente do ataque, Joachim Rønneberg, morreu em outubro de 2018.

«O Sabotador é o melhor e mais emocionante romance publicado este ano. Ação, suspense, heroísmo e sacrifício são temas que fazem dele o exemplo de um verdadeiro thriller.» New York Journal of Books

«Andrew Gross é um grande contador de histórias.» Nelson DeMille

Andrew Gross é autor de 72 horas – O último resgate de Auschwitz e de vários romances que integraram o top de vendas do New York Times. É ainda coautor de cinco livros com James Patterson. As suas obras estão traduzidas para mais de vinte e cinco línguas.



No dia a dia é cada vez mais difícil parar e ter tempo para nós próprios, principalmente sem sentimentos de culpa, medo e pudor. No entanto, cuidar do bem-estar mental, físico e emocional é imprescindível para gostarmos de nós, sermos melhores para os outros e sentirmo-nos satisfeitos com a vida. BEM ME QUERO é um livro sobre a importância de identificar as nossas necessidades, focando-nos no que realmente importa. A autora, Mel Noakes*, apresenta dicas simples, pensamentos inspiradores, exercícios e atividades básicas de autocuidado.

*Mel Noakes, coach na área da saúde e do bem-estar, hipnoterapeuta e profissional de programação de neurolinguística, tinha tudo para ser feliz: um trabalho de sonho, uma vida social preenchida, viagens constantes e amigos presentes. Só que ela não era feliz, estava sempre com stresse, tinha baixa autoestima e um distúrbio alimentar. Só adquiriu o equilíbrio quando percebeu que cuidar dela era o segredo para mudar de vida. A visão dela é de um mundo onde as pessoas possam ser a sua melhor versão. Este livro é um testemunho pessoal e das técnicas que implementou com milhares de pessoas em todo o mundo.