30/01/2014

Náusea - Jean-Paul Sartre (opinião)




"Náusea", de Jean-Paul Sartre (Edições Europa-América)
Opinião (Ana Nunes):
Normalmente gosto muito de ler clássicos, quer acabe por os apreciar, quer não, porque são sempre livros intemporais.
Náusea é isso mesmo: um livro que não envelhece. essa foi uma das coisas que mais me agradou neste romance/ensaio, pois esta história e estas deambulações poderiam acontecer em qualquer lugar e em qualquer momento da história. São temas universais: os que têm a ver connosco, com a nossa existência, enquanto pessoas, enquanto seres.

A primeira parte do livro manteve-me agarrada às páginas e queria mesmo saber o que se ia passar a seguir, no entanto a partir do meio o livro começou a divagar demasiado e tornou-se maçudo, até mesmo aborrecido em certos momentos.
Acho que o principal problema acaba por ser que há demasiado filosofia, o que era de esperar, no final de contas, mas já que se trata de um suposto romance, eu gostaria que tivesse encontrado um melhor equilíbrio.
O autor também criou diálogos demasiado surreais, que tentavam passar-se por normais mas que dificilmente o poderiam ser.

Por estas razões foi-me um pouco difícil terminar esta leitura, apesar de ver na obra muitas qualidades e de ter vários trechos assinalados como brilhantes. por isso mesmo o balanço final acaba por ser positivo. Esta é uma leitura que me fez pensar e isso é sempre bom.

Resumindo, Náusea trata-se de um livro que vale a pena ler, embora não em atreva a aconselhá-lo a toda a gente.

2 comentários:

helena frontini disse...

Há séculos que não o via! Ou melhor, li-o no século passado. Bom fim de semana.

Ana C. Nunes disse...

Helena,
Dito assim até parece que foi há muito tempo mas o século passado não está assim tão longe. :)
Bom fim de semana para si também.